É com muita satisfação que apresentamos a página eletrônica do Estudo Epidemiológico sobre Condições de Saúde da População Adulta de Florianópolis –EpiFloripa Adulto. Pretendemos torna-la um espaço de informação e interação entre os pesquisadores do projeto, outros estudiosos no tema, os participantes do estudo e a população em geral. Neste espaço você encontrará a equipe de pesquisa, características metodológicas do projeto, seus principais resultados, as publicações dele decorrentes assim como poderá manter contato conosco expondo suas dúvidas, comentários e propondo sugestões.

Aguardamos seu contato.

Equipe do EpiFloripa Adulto.

 

Conheça o EpiFloripa


As mudanças demográficas e epidemiológicas ocorridas nas últimas décadas no Brasil apontam a necessidade de investigações das condições de saúde da população adulta com ênfase nas doenças e agravos crônicos e nos comportamentos e condições sociais e econômicas a elas associadas. Poucos são os estudos de base populacional desenvolvidos no Brasil que envolveram a investigação das condições de saúde auto-referidas e de fatores sociais, demográficos, nutricionais, de comportamentos relacionados à saúde e de utilização de serviços de saúde associados. Desconhecem-se estudos desta natureza em capitais brasileiras. Este tipo de investigação permite o adequado planejamento do sistema de saúde, a reorientação de recursos assim como propicia o desenvolvimento de futuros estudos que possibilitem o monitoramento de agravos e exposições relacionadas à saúde.

Durante os meses de setembro de 2009 a janeiro de 2010, 35 entrevistadoras percorreram os domicílios de Florianópolis, de norte a sul, de leste ao continente, pesquisando as condições de vida e saúde de uma amostra de 1720 adultos, representativa de todas as regiões e condições sociais e econômicas da cidade. Em cada residência sorteada, os adultos ali residentes responderam a um questionário sobre condições sociais, econômicas, auto-avaliação das condições de saúde, ocorrência de doenças crônicas e de dor, hábitos alimentares, prática de atividade física, condições de saúde bucal, uso de medicamentos e de serviços de saúde e saúde mental. Além do questionário, os participantes da pesquisa foram pesados, medidos e tiveram a circunferência abdominal e pressão arterial verificadas. Cada participante foi orientado sobre recursos de saúde no bairro e receberam os resultados principais do estudo em suas residências. Todo este trabalho, planejado há mais de um ano, foi realizado no âmbito do Departamento de Saúde Pública da UFSC e financiado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico – CNPq, desenvolvido e supervisionado por profissionais de diversas áreas dos cursos de mestrado, doutorado e pós-doutorado nos Programas de Pós-graduação em Saúde Coletiva, Nutrição e Educação Física e alunos de iniciação científica dos cursos de Medicina, Odontologia e Enfermagem da UFSC. Este tipo de estudo permite um amplo diagnóstico das condições de saúde em escala populacional e é muito útil para o planejamento e avaliação de políticas, ações e serviços de saúde. Apesar destas vantagens, este é o primeiro estudo com tais características realizado em Florianópolis.

Com a intenção de acompanhar as condições de saúde das pessoas e ter uma melhor compreensão sobre os seus determinantes, em 2011 todos os 1720 participantes do estudo serão visitados novamente em seus domicílios pela equipe da pesquisa. Nesta ocasião serão aplicados questionários estruturados sobre hábitos e cuidados á saúde bucal (uso e freqüência de escovação dentária, uso de pasta dental, uso de fio dental), dificuldades de alimentação em razão das condições de saúde bucal, xerostomia, dor de origem dentária nos últimos seis meses, sua intensidade e impacto na realização de atividades diárias, periodicidade da realização de consultas odontológicas, razão principal do último atendimento, local da última consulta e auto-avaliação da saúde bucal. Um detalhado exame odontológico será realizado para a identificação e mensuração de cárie dentária, edentulismo, uso e necessidade de próteses dentárias, sangramento gengival e doenças periodontais. Além disso, serão coletadas informações sobre alimentação e acesso a uma alimentação saudável, atividade física, qualidade de vida, discriminação, função cognitiva e indicadores de iniqüidades socioeconômicas. Por sua vez, diversas informações coletadas no inquérito realizado no ano de 2009 serão utilizadas para analisar as informações que serão obtidas em 2011, tais como, variáveis socioeconômicas, demográficas, condições de saúde, peso, altura, circunferência abdominal, pressão arterial, uso de medicamentos, morbidades auto referidas, uso de serviços de saúde e auto-avaliação de saúde. Mediante a análise destas informações pretende-se gerar conhecimento científico sobre diversos temas que são altamente relevantes no contexto internacional e nacional, qual seja, a relação entre doenças e agravos bucais e condições de saúde geral, mormente sobrepeso, obesidade, doenças cardiovasculares e o impacto das doenças bucais na auto-avaliação de saúde geral. Deseja-se que este seja o primeiro estudo, linha de base, de um estudo longitudinal que investigue saúde geral e saúde bucal desta população.