O Epifloripa Idoso consiste em um estudo transversal de base populacional domiciliar com idosos do município de Florianópolis, Santa Catarina, desenvolvido e supervisionado por estudantes de diversas áreas dos cursos de mestrado, doutorado e pós-doutorado nos Programas de Pós-graduação em Saúde Coletiva, Nutrição e Educação Física e estudantes de iniciação científica dos cursos de Medicina, Odontologia e Enfermagem da UFSC, além do apoio do Núcleo de Estudos da Terceira Idade (NETI/UFSC). Este é o primeiro estudo com tais características realizado em Florianópolis.

O município de Florianópolis é a capital do estado de Santa Catarina, com população estimada para o ano de 200913, de 408.163 habitantes, sendo 44.460 pertencentes à faixa etária com idade igual ou superior a 60 anos (18.844 do sexo masculino e 25.616 do sexo feminino), representando 10,8% da população total. A esperança de vida ao nascer era de 72,8 anos e o município apresentava um Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDH-M) de 0,875 em 2000, colocando o município na 4a posição dentre todos os municípios brasileiros14.

O tamanho da amostra foi calculado para estimar a prevalência a partir de uma amostra casual simples, multiplicada por 2 (conglomerado em 2 estágios), e acréscimos de 20% para perdas previstas e 15% para controle de fatores de confusão. Para tal, foi usado o programa Epi-Info, versão 6.04 de domínio público, com os seguintes parâmetros: tamanho da população igual a 44.460, prevalência para o desfecho desconhecida (50%), nível de confiança de 95%, erro amostral igual a 4 pontos percentuais, resultando em uma amostra final de 1.599 pessoas.

O processo de seleção da amostra foi realizado por conglomerados em dois estágios. No primeiro estágio, todos os 420 setores censitários urbanos da cidade foram colocados em ordem crescente de renda média mensal do chefe da família, sorteando-se sistematicamente 80 destes setores (oito setores em cada decil de renda).

As unidades de segundo estágio foram os domicílios. Uma etapa de atualização do número de domicílios em cada setor (arrolamento) fez-se necessária uma vez que o Censo mais recente havia sido realizado em 2000. Para tanto, os supervisores do estudo percorreram cada um dos setores censitários sorteados e procederam à contagem de todos os domicílios habitados, obedecendo às normas do IBGE. O número de domicílios nos setores variou de 61 a 725.

Setores com menos de 150 domicílios foram agrupados e setores com mais de 500 domicílios foram divididos, respeitando o decil de renda correspondente, com a finalidade de diminuir o coeficiente de variação do número de domicílios por setor. Tal procedimento resultou em 83 setores censitários, reduziu o coeficiente de variação inicial de 52,7% para 35,2%, e proporcionou a obtenção de uma amostra auto-ponderada.

Segundo o IBGE15, o número médio de moradores por domicílio equivale a 3,1. Como a faixa etária de interesse da pesquisa corresponde a aproximadamente 11% da população, obtêm-se em média, por setor censitário, 102 pessoas na faixa etária de interesse ou 1 idoso a cada três domicílios. Estimou-se, portanto, que deveriam ser visitados cerca de 60 domicílios por setor censitário, para se encontrarem os 20 idosos. Esses domicílios foram sorteados de forma sistemática e foram considerados elegíveis para serem entrevistados todos os idosos residentes nos domicílios sorteados.

Foram considerados como perda os casos de idosos não localizados após quatro visitas, sendo pelo menos uma no período noturno e uma no final de semana, além daqueles que se encontravam impossibilitados de responder por motivo de viagem. E recusas, os casos de sujeitos que se negaram a responder o questionário por opção pessoal.

A coleta de dados foi realizada por meio de um questionário padronizado e pré-testado aplicado na forma de entrevistas face a face, utilizando-se o Personal Digital Assistants (PDA).

Utilizou-se para a coleta de dados um questionário estruturado em forma de entrevista, contendo 276 questões, elaborado em conjunto por estudantes de Pós-Graduação em Saúde Pública, Educação Física e Nutrição da Universidade Federal de Santa Catarina, todos vinculados ao inquérito. O questionário foi formulado e elaborado conforme objetivo e interesse de pesquisa de cada pós-graduando, sendo que de preferência deveriam ser utilizados como base, questionários já validados. A etapa de elaboração e estruturação do questionário foi realizada durante reuniões semanais ocorridas entre os meses de março e agosto de 2009.

Após a finalização do questionário, este foi estruturado nos seguintes blocos:

Quadro . Blocos do questionário do EpiFloripa Idoso 2009
Bloco Tema
Bloco 1 Dados Cadastrais
Bloco 2 Geral - Socioeconômico e Demográfico
Bloco 3 Saúde Mental e cognição
Bloco 4 Condições de Saúde e Hábitos de Vida
Bloco 5 Capacidade Funcional e Quedas
Bloco 6 Morbidades
Bloco 7 Uso de serviços de saúde
Bloco 8 Saúde da Mulher
Bloco 9 Saúde Bucal
Bloco 10 Alimentação
Bloco 11 Atividade Física
Bloco 12 Percepção do ambiente relacionado à atividade física
Bloco 13 Uso de Medicamentos
Bloco 14 Violência contra idosos

O trabalho de campo foi realizado entre setembro de 2009 e junho de 2010. As entrevistas foram realizadas por entrevistadoras do sexo feminino com nível médio completo de escolaridade ou mais, devidamente treinadas sobre os procedimentos da pesquisa. O estudo-piloto incluiu 99 idosos residentes em setores não amostrados para a pesquisa. O trabalho de campo foi supervisionado por estudantes de cursos de Pós-Graduação.

Houve verificação semanal da consistência dos dados e controle de qualidade por meio de aplicação por telefone de um questionário reduzido, em 10% das entrevistas selecionadas aleatoriamente.

Os dados foram analisados através do programa estatístico Stata, utilizando o comando svy para considerar o efeito de delineamento e os pesos amostrais, que foram calculados considerando-se a probabilidade de cada setor ser sorteado dentre todos aqueles existentes no município e de cada domicílio ser sorteado dentro do setor censitário.

O projeto foi submetido ao Comitê de Ética em Pesquisa com Seres Humanos da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), sendo aprovado em 23/12/2008 sob nº352/2008.

Após uma explicação geral dos objetivos da pesquisa e dos procedimentos a serem realizados, foi solicitado aos entrevistados a assinatura do termo de Consentimento Livre e Esclarecido para a realização da entrevista. Foi garantida a confidencialidade das informações, a participação voluntária e a possibilidade de deixar o estudo a qualquer momento, sem necessidade de justificativa. Tendo todas suas dúvidas esclarecidas, os entrevistados eram convidados a assinar o termo de consentimento, ficando com uma cópia. A via assinada foi arquivada na sede do estudo.