6/12/2011

O pôster “Fatores associados à dificuldade para comer segundo gênero: estudo de base populacional no sul do Brasil” foi premiado com menção honrosa durante o VIII Congresso Brasileiro de Epidemiologia. O trabalho foi elaborado com os resultados de uma pesquisa desenvolvida pela doutoranda em Odontologia Daniela de Rossi Figueiredo e pela mestranda em Odontologia Carla Antoni Luchi com orientação dos professores da UFSC Marco Aurélio Peres e Karen Glazer Peres.

Os dados apresentados no pôster são parte de um estudo de base populacional chamado EpiFloripa (www.epifloripa.ufsc.br). O trabalho, desenvolvido por pesquisadores da área da saúde da Universidade Federal de Santa Catarina, começou em 2009, quando cerca de 3.400 pessoas de todas as regiões de Florianópolis, entre adultos e idosos, foram visitados em suas casas.  Os participantes responderam a um questionário sobre condições de saúde e também foram registradas diversas medidas como o peso, a altura e a circunferência abdominal.

A pergunta que deu início ao painel foi “você sente dificuldades de comer por causa dos seus dentes?”. Ao analisar os resultados da pesquisa, a doutoranda em odontologia da UFSC, Daniela de Rossi, em parceria com a mestranda também de odontologia Carla Antoni Luchi, separaram as informações adquiridas em gêneros (homensXmulheres) e em outros grupos e então publicaram as conclusões no painel que foi premiado. “Essa premiação mostra uma valorização do nosso trabalho e com certeza é um estímulo para continuar a pesquisa”, diz Daniela.

O objetivo era estimar os fatores associados à dificuldade para comer devido a problemas bucais em adultos de Florianópolis. Entre os resultados obtidos 6,3% dos homens já apresentaram dificuldades para comer, nas mulheres esse número sobe para 9,5%. As características dos entrevistados foram divididas por blocos demográficos, socioeconômicos, de utilização de serviços e de higiene condição bucal. Nos homens, quanto maior a idade, menor a renda e menos dentes naturais, maior a chance de dificuldade para comer. Nas mulheres essa chance aumenta conforme é maior a escolaridade, o sintoma de boca seca e o número de dentes não-naturais.

Para o ano que vem, o grupo tem previsão de visitar novamente os participantes da pesquisa para avaliar a saúde bucal com acompanhamento de profissionais da área para a realização de exames.

Congresso Brasileiro de Epidemiologia

O evento aconteceu entre os dias 12 e 16 de novembro e contou com quase cinco mil inscritos, quatro mil trabalhos apresentados e 3300 participantes. Esta oitava edição trouxe como tema central o debate sobre a epidemiologia e seu papel na definição de políticas públicas, relacionado ao campo da saúde coletiva. O congresso foi organizado pela Associação Brasileira de Pós-Graduação em Saúde Coletiva (ABRASCO).

Mais informações com Daniela de Rossi pelo email daniela.derosi@gmail.com

http://noticias.ufsc.br/2011/12/06/ufsc-e-premiada-no-congresso-brasileiro-de-epidemiologia/